Viagem à China - parte1

Semana passada fui à China a convite da Comissão de Turismo e da Prefeitura da cidade de Sanya, no extremo Sul do país. Localizada na ilha/Estado de Hainan, a cidade é um dos pontos turísticos mais visitados pelos chineses que estão em busca de praias, clima tropical e luxo. A cidade agora quer atrair turistas estrangeiros e, para isso, precisa de um mascote. Sete designers/ilustradores estrangeiros e 10 chineses representantes de agências foram convidados. Eu era o único da América do Sul e obviamente o que teve a viagem mais longa. 40 horas com 3 escalas, 28 horas só de vôo. Fiz o trajeto Curitiba>São Paulo>Doha,Qatar>Beijing>Sanya. Os estrangeiros eram dos EUA, Canadá, Brasil, França, Finlândia e Singapura e os chineses eram todos de Beijing e Shanghai.

Sanya, extremo sul da China.

Sanya, extremo sul da China.

A ida

Na ida fiz amizade com um baiano que estava indo a Jacarta surfar por um mês e uma paulistana a caminho da Índia de férias. Fomos até Doha e de lá cada um seguiu para um destino diferente. Antes mesmo de chegar em Pequim eu já tive uma das melhores experiências da minha vida: sobrevoar o Himalaia! Não tenho palavras pra descrever o que era a visão daquelas montanhas cobertas de neve. Lembro de por alguns segundos pensar que o avião estava voando baixo pois as montanhas estavam relativamente "perto", mas depois lembrei que aquelas são as montanhas mais altas do mundo, com 6, 7, 8km de altura.

Em Doha achei o melhor bichinho de pelúcia EVER!

Em Doha achei o melhor bichinho de pelúcia EVER!

A chegada

Chegando em Pequim eu já estava bem cansado, pois havia voado por 14h de São Paulo a Doha e por mais 8h de Doha a Pequim. Fiquei na fila da imigração por mais de uma hora para entregar uma papelada preenchida, tinha MUITO estrangeiro entrando no país. Na fila fiz amizade com dois ingleses que viram no meu passaporte que eu era do Brasil. Futebol foi o tópico principal da conversa, como é de se esperar. O Aeroporto de Pequim é gigantesco (vou usar muito essa palavra, tudo na China é no superlativo). Só para pegar minha mala eu tive que pegar um trem que só percorre o interior do aeroporto. Duas estações depois e com mala na mão tive que pegar um ônibus (ainda dentro do aeroporto) para ir até o Terminal 2 de onde o avião para Sanya decolaria. E eu achando que ainda teria um tempinho de pelo menos sair do aeroporto pra conhecer os arredores. As 5 horas que eu tinha foram o que eu precisei para me locomover lá dentro, passar pela imigração, achar o terminal certo, trocar meus dólares por RMB, ir ao banheiro, comer alguma coisa e fazer meu check-in para Sanya.

Filinha básica na imigração com zero organização.

Filinha básica na imigração com zero organização.

As 3h e meia para Sanya voaram dentro do avião, dormi todo torto de tão cansado e nem liguei para a turbulência (normalmente eu me cago de medo nessas horas). No dia seguinte ví que passamos por uma tempestade que fechou vários aeroportos naquele dia. Cheguei em Sanya por volta das 23h. A primeira coisa que fiz foi tirar minha jaqueta de couro (saí de uma Curitiba a 9ºC e cheguei em Sanya 35ºC. Me senti bem recebido ao chegar no hotel e ver a bandeira do Brasil estampada no Lobby.

Visun Royal Yatch Hotel.

Visun Royal Yatch Hotel.

Vou dividir meus posts, tenho muita coisa pra contar pois conversei com muita gente por lá. Nos próximos posts escreverei sobre os Imperadores gays, a base militar secreta chinesa em Sanya, como são os protestos na China, costumes e mais fotos.

Kris